domingo, abril 29

porque a tranformação não tem nome, nem hora

Primeiro, pensei, com a sinceridade do instante que era o Fim, de um olhar, de um caminho, mas ( no final) o caminho não o tem, (Como um fio de teia ( de aranha ou de homem), mesmo quebrada, prende).
O horizonte, essa linha indefenida que desenha sonhos, permanece, e o que surgiu de um "Almaro" cansado de se equivocar nos eus, foi um Jeremias, meio palhaço, meio nada, transmutado no caminho, mas sem se enganar com o que via ( sentia),pois o que levava no olhos, era o ir.
Assim, quase do nada, mas carregando o horizonte, tropecei em JEREMIAS.

11 comentários:

Betty Branco Martins disse...

Querido Almaro

Já estou de volta:)

Passo num momento de um - olá_______mas voltarei - entretanto vou conhecer o "JEREMIAS"

Um grande abraço

STAR disse...

Fui conhecer o "JEREMIAS".

Anda tão perdido, que quase se parece comigo...

Rafaella disse...

Olá...
Caí de para-quedas aqui e fiquei apaixonada.
Beijos!

marta dutra disse...

que bom ver-te surgir Jeremias, digo-o de forma estritamente egoísta!!! um até já, deixa-me acrescentar: meu amigo...

musalia disse...

Jeremias...só agora o descobri! :)

um beijo:)

As cores da vida disse...

Vejo-te sempre da janela do meu mundo. :)

Estou nas cores da vida, mas sempre à janela! (o mundo à janela! ;)

*****

Carreira disse...

Criei um blogue de opinião que agora estou a divulgar.
Se tiver interesse, não deixe de fazer uma visita: http://www.cegueiralusa.blogspot.com/
Caso goste, por favor divulgue, pois pretende ser mais um espaço de discussão em busca de uma cidadania mais activa.
O meu muito obrigado.
Com os melhores cumprimentos,
José Carreira

SILÊNCIO CULPADO disse...

Interrogo-me sobre um sem fim de possibilidades que as palavras têm para nos transportar aos mais diferentes destinos. Há aqui algumas passagens que me fascinaram em absoluto.
Gostei deveras.

Helder Ribau disse...

gosto da tua forma de escrever... gosto do teu blog :)

Menina_marota disse...

Vim agora do Jeremias... mas, confesso que tenho saudades do Almaro, das suas letras, da sua forma de transmitir sentimentos e sensibilidades...

Deixo um abraço carinhoso e espero que um dia, o Almaro-Poeta...regresse!

FELIZ NATAL

Beatrice disse...

Olá

Embora atrasada venho informar que “roubei” e vou "roubar" mais "coisas" suas para o meu espaço, se não estiver de acordo será imediatamente, retirado.

Obrigada!

B.

porque a tranformação não tem nome, nem hora

Primeiro, pensei, com a sinceridade do instante que era o Fim, de um olhar, de um caminho, mas ( no final) o caminho não o tem, (Como um fio...