domingo, janeiro 1

o vitral

desenhei um vitral,
na água...

nem azul, nem verde,

um vitral,

com deuses
e
meninos,
a brincar
com o sol
que se gotinhava,
no rio
em cores de brilhar…

desenhei um vitral,
nas lágrimas
sem sal
no frio.

tinha, ( o desenho)
um homem
pequenino
( não fora ele,
menino…)

a rezar,
sozinho…

( os deuses,
esses,
estavam no vitral
a ouvir,
o menino
),

e

o rio,
ia,
corria,
sem saber do vitral
que arrastava
desenhado na pele
com as cores do natal.

não!
os deuses não se enganaram,
nem se distraíram,

nem o rio,

eu,
é que desenhei
o que sentia,
encantado,
com o que via…

10 comentários:

MWoman disse...

Encantada estou eu com o que acabei de ver!

Encerra-se um, inicia-se outro espaço, outro ciclo de vida...

Boas entradas!

Um beijo.

almaro disse...

obrigado, maria-mulher, vou certamente passear-me neste nuveares, por caminhos, acompanhado com os olhares que me pintam o sentir. bem vinda a este pedaço de sonho que navega sem estrela e quase voa-de-vento

Maria do Céu Costa disse...

É mesmo assim com esta força e vontade que brotou este "pedaço de sonho que navega sem estrela e quase voa-de-vento". Linda esta tua página e espero navegar e voar muito por aqui... Grande surpresa!

almaro disse...

maria do céu: não é rotura, provavelmente nem espaço outro, é um continuar no meu destempo. nos caminhos há momentos em que sentimos que o que acumulamos de saber e sentir na viagem nos mudou, nos transformou, gota a gota, como o gotinhar do sol no rio. esse foi o momento deste meu novo navegar

Maria do Céu Costa disse...

Almaro, não me referia a rotura nem algo que se assemelhe, ou do género.
O importante é este novo navegar...

almaro disse...

Maria do Céu, sim, eu sei. é no entanto um virar de página. eu é que me questionei se seria ou não rotura, no instante em que te respondia. por vezes gosto de roturas, esta é uma quase rotura, desfocada, enublada…em nuveares...

Menina_marota disse...

...e, o menino
que continua a ser...
menino...
embarca numa nuvem
seguindo um
a linha do horizonte,
enquanto outros
meninos,
lançam o papagaio aos céus
no sonho de continuarem
sempre...
meninos.

FELIZ 2006
(gosto desta música, convida à calma de passeios à beira-mar)

almaro disse...

Menina-maratota, há coisas na vida que não se explicam, acabei de escrever um pequeno texto, num intervalo de uma leitura, com as letras arrumadas desta forma:

"sopro o pensamento,
em
nuvens-de-olhar
qual,
papagaio-de-papel,
abraçado-no-sonhar,
voam,
suaves…
cada-qual,
pétalas-de-papoila
a planar…
um,
é borboleta,
outro,
qualquer-letra
mas
aquele ali,
que se esconde no alto,
quase-nuvem,
quase-onda
sou eu,
inteiro
a-navegar…"

e chego aqui, deparo com as tuas palavras a coexistirem-me no eu...

© Piedade Araújo Sol disse...

Almaro

Que este nuvear, seja sempre um nuvear cheio de palavras soltas, mesmo que por vezes envoltas em nuvens façam sempre um sol a querer saltar do teu nuvear....

almaro disse...

Pi: cada pétala solta desenha uma flor e todas as nuvens são o cobertor do céu, entre os dois está um mundo inteiro por desenhar, é nesse inacabado que me caminho

porque a tranformação não tem nome, nem hora

Primeiro, pensei, com a sinceridade do instante que era o Fim, de um olhar, de um caminho, mas ( no final) o caminho não o tem, (Como um fio...