quarta-feira, dezembro 6

as minhas inquietudes

Perguntaram-me, "o que mais te inquieta?", respondi (convicto),” a imensurável capacidade da humanidade para a indiferença…”
Depois da resposta,
(expelida, assim numa torrente, num sopro instintivo),
fiquei apreensivo,,,desinquieto, com a facilidade com que surgiu a palavra “imensurável
e
de me ter colocado, inteiro, dentro da humanidade…

2 comentários:

Menina_marota disse...

imensurável na forma da tua alma, que se opõe a essa mesma indiferença.
Bj

almaro disse...

menina marota: tento desesperadamente, olhar, olhar sempre, mas vezes há que me distraio em mim, outras que me canso, outras ainda que me esqueço, e são muitas (ainda), as vezes que me esqueço.

porque a tranformação não tem nome, nem hora

Primeiro, pensei, com a sinceridade do instante que era o Fim, de um olhar, de um caminho, mas ( no final) o caminho não o tem, (Como um fio...