sexta-feira, janeiro 5

olho o espelho estilhaçado, ali, além, pedaços de estanho, palhaço estranho de mim

Sou,
Jardineiro de sonhos,
pintor de bancos,
brancos,
sujos de mim,
( nuvem acre,
palhaço manco,
vestido de Arlequim)…
Sou,
Saltimbanco,
vagabundo de sargaços,
cavalo andante,
feirante
andarilho do ali…
Sou
Ventos contrários,
pedaço de ti,
migrante,
aqui!

4 comentários:

Menina_marota disse...

... és... POETA!

Beijo e bom fim de semana;)

nobody disse...

Excelente (como de costume...)!

Anónimo disse...

Jardineiro de sonhos, enganaste-te no link das "Marias"!

Gosto desta pintura, destas tonalidades de azul céu!
(ou será azul cueca? pronto, lá me fogem as palavras para o disparate!)

Seila disse...

hoje deram-me diversas saudades
deram-me
e no Palhaço de D. Quixote fui encontrar este teoria da singularidade, ou teoria referencial que me descansou da saudade e do resto. te agradeço.

porque a tranformação não tem nome, nem hora

Primeiro, pensei, com a sinceridade do instante que era o Fim, de um olhar, de um caminho, mas ( no final) o caminho não o tem, (Como um fio...