O sol cai muitas vezes longe do azul, grávido d’horizontes. Nesses dias a gaivota só tem poesia de cinzentos...

por vezes penso ( ou procuro?)
o que se afasta de mim nos caminhos, entre-vazios, caídos num abismo de sentires…

por vezes fujo ( ou procuro?)
sentidos, fingidos de ventos…

por vezes escavo ( ou procuro?)
a escultura de uma sombra que se perdeu, escrava de ti…

por vezes procuro
nas letras que faço, o eu que há em mim…

1 Comments:

Blogger Blueshell said...

Também eu procuro, nas letras que faço, o eu que penso haver em mim...
mas não há!
São palavras vazias de mim, essas que faço...fingidas...pintadas de tintas inxistentes que ninguém entende...porque nunca foram inventadas...apenas sonhadas!
Um beijo, Zé,
Sempre
BlueShell

17 fevereiro, 2007  

Enviar um comentário

<< Home

Web Analytics by Controlia