quarta-feira, fevereiro 28

.(I)

Um ponto, Um só ponto e eu parava, mas há em mim uma revolta de existir, de dividir, em mil cores as sombras que me acordam, Estilhaços de pó, Um atrás do outro, São o meu caminho, moldado ao vento.
Um ponto, um só. Final…

1 comentário:

saltosaltos disse...

Pois.
Por causa dos pontos, das cores e das sombras andas sempre tão distraído que até entras em espaços já caducados, fora do prazo de validade, e botas faladura!
Mas eu gostei, deixa lá! Podes continuar que não me importo nadinha! ;)

porque a tranformação não tem nome, nem hora

Primeiro, pensei, com a sinceridade do instante que era o Fim, de um olhar, de um caminho, mas ( no final) o caminho não o tem, (Como um fio...